Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desde 1 de Janeiro de 2008.

iamcarmen

Desde 1 de Janeiro de 2008.

Inocente VS Playboy - Capitulo 11

por iamcarmen, em 01.06.14

 

11º

Bill Kaulitz havia perdido noção de à quanto tempo ele deambulava pelo Centro Comercial na companhia da sua vizinha do lado; ele mesmo gostava de gastar tempo em compras mas aquilo era um exagero.

- Sério que vocês, mulheres, não se aborrecem? – questionou indignado

- Ora…é uma madeira de distrair, no meu caso. – Jane respondeu-lhe com um sorriso.

- Ok, distrais-te e compras coisas mas… - olhou-a de alto a baixo – porque não compras roupas para ti? Até agora só vi prendas de Natal para outros. E tu? – quis saber

 - Hum....talvez comece a me dedicar mais a mim....agora. – respondeu enquanto olhava a entrada de uma loja conhecida de roupa.

- Certo. Vou contigo. – anunciou-lhe ele ao que a rapariga o olhou surpresa – Não vou ficar aqui fora à espera. – explicou e logo se apressou a entrar naquela loja.

A entrada e  presença de Bill naquela loja de roupa não passou por despercebida, já que claramente era um local dedicado só a roupas femininas, portanto um rapaz entrar ali como se nada fosse e disposto a acompanhar uma rapariga na sua “viagem” até ali era algo nível extrema surpresa.
Entraram numa sala privada onde as clientes poderiam experimentar livremente todas as roupas que chamassem por sua atenção, existia o vestiário depois uma mínima sala onde um pequeno sofá de dois lugares se encontrava e um espelho que ocupava toda uma parede. Bill havia imaginado que aquele luxo só existia em lojas VIP e onde se compravam em maioria vestidos de gala mas aparentemente aquela era a imagem da loja e discretamente o rapaz vira que não era qualquer pessoa que comprava coisas ali.

 - Óh, por favor...demoras tanto tempo  para te despir e vestir? – protestou impaciente

- Tem calma, Bill. – ouvia rir no vestuário.

Bill baixou a cabeça e entretinha-se a olhar o chão, segundo depois movimentos á sua frente captaram toda a sua atenção; elevou seu olhar começando logo a vislumbrar umas pernas ao descoberto...acompanhado aquela bela vista ele subiu até á cintura desta, fixando-se demoradamente, depois foi ao encontro do olhar de Jane com o seu…

- E então? – ela questionou enquanto dava uma volta de exibição – Que achas?

- Exactamente onde vais usar esse vestido? – piscou os olhos e sua boca descaiu. A rapariga estava simplesmente sexy com aquilo vestido.

- Ainda não decidi correctamente mas… - suspirou – Que te parece?

- Boa. – deixou escapar, aclarou rapidamente sua garganta e abanou a cabeça no sentido negativo – Bo..Bom para…pa… - respirou fundo e desistiu de organizar palavras de desculpa – Fica-te bem. – humedeceu os lábios e obrigou-se, inclusive, a desviar a atenção daquela rapariga. Jane gargalhou.

- Pensei em não referir tal coisa mas… - ela falou e aproximou-se um pouco do rapaz – fiquei com a sensação que aprovaste fervorosamente este vestido. – sussurrou divertida

- Tem dias… - falou num rasgo de sorriso

- Mas bom uma vez que pareces aprovar, eu vou confiar. – encolheu os ombros – Ainda tenho um outro para experimentar.

- Sim, sim…sente-te à vontade para experimentar Jane. Eu dou opinião. – falou num tom maroto.

- Desculpa lá Bill mas esse ficara em segredo. – ela disse. Mostrou-se chocado e a rapariga aproveitou para regressar para o interior do vestiário.

- Não é justo. – resmungava para si mesmo – Injustiça. Eu ia apreciar as formas de despir um vestido… - calou-se subitamente – Injusto. – retomou.

- Não sejas playboy! – Jane respondeu-lhe de volta, assustando o moreno.

 

Haviam saído do Centro Comercial, carregavam suas compras de Natal e conversavam sobre situações divertidas pelas quais tinham passado.

- Bem acho que fizemos deste em grande dia. – Jane falou

- …pois… - ele murmurou

- Bill. – olhou-o – Que foi?

- Bem que podias ter experimentado langerie, não achas? – ele atirou a questão como se fosse a coisa mais natural daquele mundo; automaticamente a sua vizinha riu-se.

- Eu fui um querido. Ofereci-me para dar opinião e tudo. - rematou

- Aí Bill… - Jane gargalhava – não sejas tonto. Não precisas fingir que sou digna dessa “atenção”.

- Não estou a fingir. – defendeu-se logo

A rapariga meditou por uns momentos – Pensa no lado…positivo. – encararam-se – ficaste a saber as minhas medidas. – corou vagamente ao falar aquilo.

- E que belas medidas. – disse maroto. Ela mandou-lhe um leve empurrão ao que Bill retribuiu com um sorriso e passou logo depois a lhe fazer cocegas. Daquela animação toda chegaram à sua rua de residência.

Pararam próximos da casa da rapariga e encararam-se sorridentes – Bem…até amanhã. – Jane falou.

- Hum, esta semana vai ser a ultima de aulas. Coloco minhas duvidas sobre me veres. – informou-a.

- Pois, acho que será assim. - suspirou

Aproximou-se mais daquela rapariga e debruçou-se ligeiramente, encarando-a olhos nos olhos – Dorme bem. – falou com calma e depois depositou um beijo no rosto dela.

 

A semana final aproximava-se do fim, Bill raramente era visto nas aulas e quando o era, poucos ouviam suas palavras ou o vislumbravam por mais de dez minutos.

- Estou a tentar ver o lado bom. – Gabi comentava para a sua melhor amiga – Ele até está a melhorar. Estranhamente genuíno mas sim, está a mudar.

- Ele até é bom rapaz. – Jane defendia

- Sim que ele é bom nenhuma rapariga duvida. – Gina acabou por falar de modo atrevido.

- Hum… - encarou-a – para quem tu não gostava do meu vizinho do lado. – Jane disse

- Eu estou a me redigir por aquilo que tens contado sobre ele e os vossos… acontecimentos. Talvez aquele playboy não seja, mesmo, tão do mal assim. – espreguiçou-se apos dize-lo – O Tom é que… - começou

- Sabemos bem que o meu irmão é bastante protector e acaba por abusar. - suspirou

- Serei eu quem o vai acalmar. – Gabi anunciou confiante e a sua amiga riu-se.

- E no entanto ainda não conseguiste nada com ele. - atirou

- Ainda…ainda não. – a outra falou

- Podes usar as ferias de Natal para isso, suponho. – encolheu os ombros.

- Hum…poderá ser. – decidiu.

 

Sexta-feira, final de aulas e inicio das ferias de Natal. Gabi havia ido treinar e uma vez que Bill andava desaparecido mesmo, Jane seguia seu caminho para casa totalmente sozinha. Ouviu passos próximos de si e sobressaltou-se quando sentiu uma pesada respiração tocar sua nuca.

- “Menina de Cristal” – uma voz masculina distinguiu-se; ainda surpresa a rapariga olhou atrás de si e deparou-se com aquela pessoa.

- Ah..Rick… - murmurou timidamente e tentou seguir caminho mas Rick decidira segui-la bem de perto.

Começava a nevar devagar; Rick aproximou-se de Jane com um sorriso malicioso nos lábios, o que vez Jane, praticamente, congelar e dar inclusive passo atrás. Precisava de seguir seu rumo mas aquele rapaz impedia-a agora.

- Aparentemente tu e o Bill estão a se dar bastante bem ultimamente. E antes nem se podiam ver. – disse ainda com aquele sorriso malicioso.

- As pessoas mudam. – respondeu e tentou retomar rumo, Rick impediu-a.

- Achas que o Bill mudou? – perguntou enquanto inclinava ligeiramente a cabeça para o lado.

- Hum…sim. – respondeu-lhe baixinho – Ele tem-se revelado melhor com os outros, agora.

- Querida… - tocou numa madeixa do cabelo da rapariga, esta bloqueou fisicamente e seus olhos mostraram receio – rapazes como ele nunca mudam. Não passa de artimanha só porque te achas boa. – respirou fundo. Jane ainda pensou no assunto mas se fosse verdade à muito que Bill já teria tentado abusar e no entanto ele nunca tentara tal coisa.

- Não me parece que seja por isso. – engoliu em seco e afastou-se de Rick.

- Pergunto-me… - subitamente agarrou a rapariga pelo braço – se realmente és assim tão boa. – aproximou-a de si e acabou por a rodear pela cintura, bloqueando totalmente os movimentos da rapariga.

- Solta-me Rick. – ela exigiu-lhe e o rapaz revirou os olhos.

- Com medo “menina de cristal”? – apertou-a mais e ela começou a ficar mais assustada – Passares uma noite com o Bill não te assusta. Mas estares aqui comigo…assusta-te? – riu-se.

- Tu não és o Bill ou parecido com. – ela resmungou e tentou soltar-se novamente, Rick apertou-lhe mais o braço, acabando por a magoar.

- Solta-me! – ela exigiu e o rapaz só aproveitou para aperta-la mais contra si.

- Óh não. Agora quero saber o que tanto tem cativado o interesse do meu amigo. – aproximou seus lábios do rosto dela e acabou por lhe lamber a pele e a mão que rodeava a cintura da rapariga acabou por se colar ao rabo desta e apertar-lho possessivamente.

- Solta-me, estupido! – ela gritou e contorceu-se de dor

Rick aproveitou-se mais da sua vantagem e passou a decorrer o corpo da rapariga de modo ordinário ao que esta fez uma careta, enojada e cada vez mais em pânico.

- Pára! Solta-me! – gritou-lhe novamente e lagrimas formaram-se em seus olhos.

- Hum...serás boa no sexo, também? – tentou lamber novamente o rosto da rapariga mas esta conseguiu desviar-se; aproveitando-se da pequena vantagem a rapariga conseguiu liberdade de movimentos para mandar uma joelhada entre as pernas de Rick.

- Ah! – gritou feroz – Sua puta de sheisse! – soltou Jane só para poder dar-lhe um estalo violento; ela começou a chorar.

- Chorar de nada te vai adiantar. – gritou irritado e agarrou a blusa que a rapariga vestia, apertando-lha e claramente com força para lha rasgar.

- Deixa-me! – exigiu e debateu-se. Sentiu um enorme alivio assim que notou que alguém se aproximava daquela ruela onde estava; Rick protestou e acabou por soltar a blusa da jovem rapariga mas tudo para depois a empurrar, com violência, contra o chão. Olhou Jane com um esgar e fugiu.

 

- Mas… Jane… - Gabi surgia na ruela e logo correu para junto da amiga.

Jane chorava enquanto agarrava o seu braço direito, estava toda arranhada na lateral da sua perna direita e sangue escorria do braço e manchava sua blusa. Gabi tentou ajuda-la com o máximo cuidado.

- Quem? – exigiu saber – Quem foi a besta? – encarou Jane nos olhos

- Foi…o Rick. – soluçou.

 

Sem mais percalços, chegaram a casa de Jane. Uma vez no quarto da irmã de Tom e com algum custo ela havia conseguido despir suas roupas; do ombro até ao cotovelo a rapariga tinha a zona enegrecida e profundos arranhões ao longo deste. Gabi fez uma careta ao ver aquilo.

- Aquela besta. – Gabi protestou furiosa

- Queria violar-me. – Jane falava e chorava ao mesmo tempo e com cuidado tentava cuidar dos arranhões – Se não fosses tu… - soluçou.

- Aquela besta quadrada. Infeliz… - apertava suas mãos sobre seus joelhos

Vendo que Jane não iria conseguir cuidar dos seus ferimentos, Gabi tomou a iniciativa.

- Sorte que os arranhões da anca não se notam tanto. – Jane tentava ver algo de bom mas era impossível.

Foi a súbita entrada de Tom naquele quarto que as assustou; o rapaz ficou quieto junto da porta, carregava uma caixa de cd consigo e seus olhos focaram-se apenas no corpo da sua irmã, onde agora arranhões se notavam claramente e manchas negras.

- E bater à porta, não? – Jane protestou e apressadamente tentou esconder seus corpo com o robe.

- O que aconteceu? – Tom gritou

- Tom…acalma-te. – Gabi pediu-lhe

- Aquele filho da puta! – Tom voltava a gritar e claramente seus corpo emanava raiva.

- Calma Tom, não tires ideias precipitadas. Não é… - Tom virou costas, deixando a caixa de cd que trazia consigo, cair no chão.

- Gabi! Vai atrás dele. – Jane pediu à amiga assim que viu o irmão sair a correr do seu quarto.

- Eu? – a outra apontou-se

- Eu não consigo correr. O Tom vai matar o Bill. – desesperou.

- Óh grande sheisse! – Gabi protestou e sair também a correr do quarto.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D